Políticos criticam fala de Zema sobre protagonismo do Sul-Sudeste


Consórcio do Nordeste critica o que chama de indicação de “guerra entre regiões” como forma de perpetuar desigualdades

Políticos de diferentes partidos e o Consórcio do Nordeste criticaram o governador de Minas Gerais, Romeu Zema (Novo), por uma fala em que ele defende “protagonismo” do Sul e do Sudeste. Governadores nordestinos indicam que a declaração incita uma “guerra entre regiões” do país.

Em entrevista ao jornal O Estado de S. Paulo, publicada no sábado (5.ago.2023), Zema afirmou que os 7 Estados do Sul e do Sudeste se juntaram formalmente no Cossud (Consórcio Sul-Sudeste).

“[…] já decidimos que além do protagonismo econômico que temos, porque representamos 70% da economia brasileira, nós queremos – que é o que nunca tivemos – protagonismo político. Outras regiões do Brasil, com Estados muito menores em termos de economia e população, se unem e conseguem votar e aprovar uma série de projetos em Brasília. E nós, que representamos 56% dos brasileiros, mas que sempre ficamos cada um por si, olhando só o seu quintal, perdemos”, disse o governador de Minas Gerais.

Para ele, os Estados do Sul-Sudeste passam a ter mais peso agindo em grupo e isso foi comprovado com a análise da reforma tributária na Câmara.

 Agora, segundo Zema, os governadores da região estão dialogando com o Senado para “que o Brasil pare de avançar no sentido que avançou nos últimos anos”, de que as regiões do Sul e do Sudeste não recebem “nada” por serem ricas.

Então Sul e Sudeste vão continuar com a arrecadação muito maior do que recebem de volta? Isso não pode ser intensificado, ano a ano, década a década. Se não você vai cair naquela história, do produtor rural que começa só a dar um tratamento bom para as vaquinhas que produzem pouco e deixa de lado as que estão produzindo muito”, disse Zema.

As falas levaram a críticas de que ele estaria incentivando a divisão e ao “lampejo separatista”, como citado pelo Consórcio Nordeste.

Ao defender o protagonismo do Sul e Sudeste, [Zema] indica um movimento de tensionamento com o Norte e o Nordeste, sabidamente regiões que vem sendo penalizadas ao longo das últimas décadas dos projetos nacionais de desenvolvimento”, diz nota do Consórcio Nordeste deste domingo (6.ago).

E continua: “Enquanto Norte e Nordeste apostam no fortalecimento do projeto de um Brasil democrático, inclusivo e, portanto, de união e reconstrução, a referida entrevista parece aprofundar a lógica de um país subalterno, dividido e desigual”. Eis a íntegra da nota (687 KB), assinada pelo presidente do Consórcio Nordeste, o governador da Paraíba, João Azevêdo (PSB).

Já o governador do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite (PSDB), saiu em defesa do Cossud. “Não tem nada a ver com frente de Estados contra Estados ou de região contra região”, disse o governador gaúcho. “Entre essas pautas [as do Consórcio] não está descriminar, desunir e desintegrar nenhuma parte da Federação”.

Renato Casagrande (PSB), governador do Espírito Santo, afirmou que as falas de Zema são uma “opinião pessoal” dele.

Anteriormente, em junho, Zema já havia afirmado que Sul e Sudeste trabalham mais e recebem menos auxílio. Também afirmou que as duas regiões seriam “boa parte da solução do Brasil”.

Leia as críticas de outros políticos a fala recente de Zema:

  • Aécio Neves (PSDB), ex-governador de Minas Gerais e deputado federal:

Essa declaração do governador de Minas Gerais é mais que infeliz. Nós não podemos admitir que nos dias de hoje existam posicionamentos tão preconceituosos, agressivos e xenofóbicos como este. O Brasil exige um presidente que respeite os brasileiros, indistintamente, e que tenha posições que promovam o desenvolvimento de todo o país, com atenção especial às peculiaridades de cada região, claro, sem perder de vista a contribuição que cada região pode dar ao país como um todo, como tem sido o nosso presidente Lula. Repudio esta atitude e conclamo, o Brasil não aceita esse tipo de agressão”, afirmou Veneziano em nota.



Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *