Zema presta desserviço a mineiros ao isolar Minas, diz Silveira


Ministro de Lula criticou governador após declaração em defesa de protagonismo do Sul e Sudeste

O ministro Alexandre Silveira (Minas e Energia) afirmou nesta 2ª feira (7.ago.2023) que a declaração do governador de Minas Gerais, Romeu Zema (Novo), em defesa de um maior protagonismo do Sul e do Sudeste isola o Estado e, consequentemente, prejudica os mineiros.

[Li] com muita tristeza, como mineiro principalmente. Minas Gerais é conhecida como berço da boa política, a política da conversa, da convergência. […] E o governador tem dado péssimo exemplo para o Brasil. Presta um desserviço, primeiro a todos os mineiros e mineiras, porque ele se isola”, disse Silveira em Belém (PA), onde está para participar dos eventos da Cúpula da Amazônia.

Em entrevista ao jornal O Estado de S. Paulo, publicada no sábado (5.ago.2023), Zema afirmou que os 7 Estados do Sul e do Sudeste se juntaram formalmente no Consórcio Sul-Sudeste com o objetivo de ter mais protagonismo político.

As falas levaram a críticas de que o governador estaria incentivando a divisão e ao “lampejo separatista”, como citado pelo Consórcio Nordeste.

Para Silveira, a fala de Zema emula a polarização que houve no país nas últimas eleições e cria um ruído “desnecessário” com o governo federal. “Ele traz um discurso que fez muito mal ao Brasil nos últimos anos, de sectarismo, de divisão do Brasil”, disse.

O ministro afirmou que a fala do governador parece ser também um “lapso de memória grave”.

“Minas Gerais tem parte do Nordeste brasileiro. O [Vale do] Jequitinhonha, o norte, o Mucuri, são Nordeste. Então, ele agride os próprios conterrâneos”, declarou.

Silveira disse ter falado publicamente com Zema no início do ano sobre discursos eleitoreiros pós-eleições. Afirmou que o governador “desceu do palanque onde foi derrotado”, em alusão ao apoio ao ex-presidente Jair Bolsonaro, e “subiu no palanque de pré-candidato em 2026”.

“Alertei o governador publicamente que as eleições tinham acabado. Que o presidente tinha pedido com muita contundência para que ministros atendessem a governadores e prefeitos de forma apartidária”, declarou.



Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *