Taxa Selic cai para 12,75% em novo corte do Copom

[ad_1]

Colegiado de diretores do Banco Central optou por uma redução de 0,5 ponto percentual, em decisão esperada pelo mercado

O Copom (Comitê de Política Monetária) decidiu cortar a taxa básica, a Selic, em 0,5 ponto percentual nesta 4ª feira (20.set.2023). Agora, o juro base cairá de 13,25% para 12,75% ao ano, o menor nível desde junho de 2022, quando estava no mesmo patamar. Eis a íntegra do comunicado (PDF – 129 kB).

A redução da Selic era esperada pelo mercado. Esse foi o 2º corte seguido, também o 2º com a mesma intensidade de 0,5 ponto percentual. O mercado financeiro aposta que a taxa básica termine o ano em 11,75% ao ano, o que significa uma redução de 1 ponto percentual. O colegiado terá mais duas reuniões em 2023.

A precificação da taxa básica é uma ferramenta de política monetária utilizada pelo BC (Banco Central) para controlar o poder de compra da população. Responsável por medir a inflação oficial do país, o IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo) acelerou para 4,61% no acumulado de 12 meses até agosto.

POLÍTICA MONETÁRIA

índice

A política monetária do Banco Central tem efeito defasado na economia. Por isso, as decisões tomadas também impactam na atividade econômica por um período prolongado, de aproximadamente 18 meses, ou 1 ano e meio.

O BC diz que analisa o impacto temporal ao longo do “horizonte relevante” da política monetária. Tem o trabalho de levar a inflação para o intervalo das metas, tanto para o ano corrente quanto para o ano seguinte.

Segundo as projeções do mercado financeiro no Boletim Focus, a inflação deverá terminar o ano em 4,86%, acima da meta, de 3,25%, e do teto da meta, de 4,75%. Os analistas também estimam taxas de 3,86% em 2024, de 3,50% em 2025 e de 3,5% em 2026. A meta de inflação para estes anos é de 3%, com intervalo de tolerância de até 4,5%.

POLITIZAÇÃO DO COPOM

O Banco Central foi o principal alvo de críticas do presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e aliados do governo em 2023. Um dos mais enfáticos, o ministro do Trabalho e Emprego, Luiz Marinho, relacionou o presidente da autoridade monetária, Roberto Campos Neto, à esquizofrenia. Disse que as decisões do colegiado são políticas para prejudicar o governo.

Campos Neto comanda o BC desde o governo Jair Bolsonaro (PL), adversário político do presidente Lula. Com a autonomia da autoridade monetária sancionada em 2021, ele e os 8 diretores têm mandatos de 4 anos.

Campos Neto disse que ficará no cargo até o fim de seu mandato, em 31 de dezembro de 2024. Poderá ser reconduzido à presidência do BC por mais 4 anos, mas disse ser contrário.

O governo acusou o presidente do Banco Central de deixar a taxa básica, a Selic, alta para prejudicar o crescimento econômico do país.

O Banco Central diz que as decisões não são políticas e que é preciso respeitar a autoridade monetária. Campos Neto defende que a inflação descontrolada é um imposto perverso e uma queda precoce da Selic pode ser pior para o país.

METAS DE INFLAÇÃO

O BC descumpriu as metas de inflação em 2021 e em 2022. A autoridade monetária precisou divulgar duas cartas públicas, uma em cada ano, para dar explicações para a inflação ter ficado acima do limite. Relembre:

  • 2021– a meta era de 3,75% (com intervalo de tolerância de 2,25% a 5,25%), mas a inflação foi de 10,06%. Leia a carta;
  • 2022 – a meta era de 3,5% (com intervalo de tolerância de 2% a 5%), mas a inflação foi de 5,79%. Leia a carta.

Em junho, o Banco Central disse que havia 61% de probabilidade de a inflação ficar acima da meta também em 2023.

JUROS REAIS

Levantamento realizado pelo economista Jason Vieira mostrou que o Brasil foi ultrapassado pelo México e agora tem os 2º maiores juros reais do mundo. A taxa quando considerada a inflação será de 6,40% nos próximos 12 meses. O cálculo é “ex-ante”, quando há uma estimativa dos juros reais para os próximos 12 meses. Eis a íntegra do relatório (265 kB).



[ad_2]

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *