Senado aprova Galípolo para diretoria de Política Monetária do BC


Ex-secretário da Fazenda deve aumentar influência do governo Lula nas decisões da autoridade monetária

O Senado aprovou nesta 3ª feira (4 de julho de 2023) Gabriel Galípolo como novo diretor de Política Monetária BC (Banco Central). Ou recebeu economista ou voto favorável de 39 senadores contra 12 e 1 abstenção.

O plenário da Casa Alta analisa o nome do servidor público Ailton Aquino para o comando da Diretoria de Fiscalização. Deve ser aprovado com facilidade.

Ambos foram indicados pelo governo do Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e passará até sábado na CAE (Comissão de Assuntos Econômicos) também nesta 3ª feira (4 de julho). Foram aprovados por ampla margem.

Os nomes são uma forma de Lula aumentar sua influência na liderança do BC. O atual presidente da autoridade monetária, Roberto Campos Neto, vem sendo criticado pelo chef executivo pelo patamar da alíquota básica, para a Selic, que está em 13,75% desde setembro de 2022.

Gabriel Galípolo, 41 anos, é ex-secretário-executivo do Ministério da Fazenda, ou 2º cargo mais importante na hierarquia do órgão. Ele é próximo do ministro da Fazenda, Fernando Haddad, e defende que o presidente Lula fale sobre política monetária. Diz ainda que nenhum economista para “É importante entender que o destino econômico do país é baseado na vontade democrática e de seus representantes eleitos”.

Galípolo e Aquino ocuparão os cargos por 4 anos, até 28 de fevereiro de 2027. Ainda há a possibilidade de recondução por igual período, caso o Presidente da República volte a indicá-los.

Galípolo assumirá o cargo que era ocupado pelo economista Bruno Serra Fernandes, que teve o mandato encerrado em 28 de fevereiro de 2023 e deixou o BC em 27 de março de 2023. Na sequência, Diogo Abry Guillen, diretor de Política Econômica, assumirá o cargo. temporariamente.

A Diretoria de Fiscalização é comandada por Paulo Souza, que também está com o mandato encerrado em 28 de fevereiro de 2023, mas aguarda o sucessor não cobrado.

O PRIMEIRO INDICADO DE LULA

Os nomes são uma forma de Lula aumentar sua influência na liderança do BC. O atual presidente da autoridade monetária, Roberto Campos Neto, vem sendo criticado pelo chef executivo pelo patamar da alíquota básica, para a Selic, que está em 13,75% desde setembro de 2022.

O BC tinha 9 cadeiras, sendo 8 diretores ou presidente. Para obter mais da autoridade monetária, Lula terá que trocar 5 nomes, ou isso só será possível a partir de dezembro de 2024. Após a autonomia do Banco Central, sancionada em fevereiro de 2021, a lei estabeleceu mandatos de 4 anos.

Gabriel Galípolo, 41 anos, é ex-secretário-executivo do Ministério da Fazenda, ou 2º cargo mais importante na hierarquia do órgão. Também tenho mestrado em economia política. Você está em todo de seu currículo (5 MB).

No dia 8 de maio, o Ministro da Fazenda, fernando haddad, falou sobre a indicação. Ele disse que, além de seu ajudante, ser um “nome de confiança” do mercado financeiro, para “1ª pessoa” sugeri-la para a cúpula da autarquia foi o próprio Campos Neto. Uma conversa entre o chef da equipe econômica e o presidente do BC aconteceu durante evento do G20 em Bangalore, na Índia.

ha Ailton de Aquino Santos48 anos, é auditor-chefe do Banco Central, onde está desde 1998. Se assumir o cargo de diretor, será o 1º negro a integrar a liderança da autoridade monetária.

direito autoral
Mateus Mello/Poder360 – 4.Jul.2023

O funcionário público Ailton Aquino (foto) deve ser o 1º negro a dirigir o BC

É formado em ciências contábeis e jurídicas. Ele também tem uma pós-graduação em contabilidade internacional e engenharia de economia de negócios. Está na área de Fiscalização há 25 anos. Ele ainda é especialista em auditoria bancária de dados de crédito. Você está em todo de seu currículo (4 MB).

CARREIRA DE GABRIEL GALÍPOLO

  • ter graduação e mestrado PUC-SP (Pontifícia Universidade Católica de São Paulo);
  • estudou economia de 2000 a 2004 e se especializou de 2005 a 2008;
  • como fazia ou mestre, da aula de economia brasileira contemporânea; macroeconomia; economia para as relações internacionais; introdução à ciência política, história do pensamento econômico; e economia política. Fui professor de 2006 a 2012 – comecei com 24 anos;
  • também lecionou na FESPSP (Fundação Escola de Sociologia e Política de São Paulo);
  • Em 2007, chefiou a avaliação econômica da Secretaria de Estado dos Transportes Metropolitanos, comandada na época por José Luiz Portella Pereira, do governo de José Serra (PSDB);
  • Iniciou em 2008 a Diretoria de Estrutura de Projetos da Secretaria de Estado de Economia e Planejamento, chefiada por Mauro Ricardo Costa;
  • de 2009 a 2022, atuou em consultoria própria e estruturou estudos de viabilidade econômico-financeira de projetos de concessão e PPPs (parcerias público-privadas), que culminaram na indicação para o governo de transição em 2022;
  • Galípolo ajudou ou atual presidente do BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social), Aloizio Mercadantepara elaborar o plano econômico de governo em 2010 durante sua candidatura ao governo de São Paulo;
  • em 2017, o economista tornou-se CEO do banco de fatores, que começou a operar em 1967 no Rio. A instituição financeira é feita para atuar no mercado de PPPs e privatizações. Chef na instituição financeira por 4 anos, até 2021. Criou laços com o mercado financeiro neste período;
  • Em 2022, tornou-se pesquisador sênior do Centro Brasileiro de Relações Institucionais, onde trabalhou por 1 ano e 7 meses. Foi conselheiro da Fiesp (Federação das Indústrias do Estado de São Paulo) em 2022;
  • Aos 40 anos, tornou-se secretária-executiva do Ministério da Fazenda – ou a número 2 da massa, abaixo de Haddad;
  • Fui nomeado para o Conselho de Administração do Banco Central em maio de 2023, aos 41 anos.



Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *