Início » Notícias » Semana de 4 dias: como funciona? É aplicada no Brasil?

Semana de 4 dias: como funciona? É aplicada no Brasil?

Se você chegou até este aqui é porque quer saber como fica a semana de 4 dias de trabalho no Brasil, correto? Pois bem, hoje o Sertão Alerta Notícias trará informações importantes para você!

A ideia de uma semana de trabalho de quatro dias pode parecer estranha no início. Isso porque, em meados dos anos 20, o fabricante americano de automóveis Ford instituiu que seus funcionários trabalhassem 5 dias por semana. Logo, acabou criando uma tendência.

A ideia da Ford, em tese, era aumentar a produtividade e reduzir o absenteísmo, oferecendo aos funcionários dois dias de folga por semana. Ao fazer isso, aumentaria também a eficiência do trabalho graças aos índices de felicidade mapeados.

Na prática, há diferenças consideráveis entre os dois arranjos. No entanto, como acontece com qualquer novidade, a semana de quatro dias de trabalho levanta algumas questões.

Como a equipe lidará com a demanda de trabalho? Cumprirá a lei? A empresa reduzirá a remuneração de alguns funcionários? E a produtividade?

E por falar em produtividade, ela está muitas vezes associada ao número de horas trabalhadas pelo funcionário. Entretanto, para ser produtivo, o que o profissional precisa é de uma liderança que vise o seu bem-estar.

Então o que a semana de 4 dias tem a ver com o bem-estar? Continue lendo para descobrir a resposta.

2 homens e duas mulheres sentados à mesa de trabalho sorrindo

O que é a semana de 4 dias de trabalho?

A semana de quatro dias tem sido uma tendência na ordem do dia já faz algum tempo. O assunto é amplamente discutido entre organizações e agências não-governamentais focalizadas em melhorias e bem-estar dos funcionários em geral.

No entanto, foi com a pandemia da COVID-19 que a questão veio realmente à tona. Durante esse período, funcionários e dirigentes foram obrigados a ficar em casa devido ao isolamento social.

Logo, o isolamento trouxe consigo reflexões e perguntas sobre alguns pontos importantes da dinâmica de trabalho:

  • Estaria a produtividade realmente relacionada com o número de horas trabalhadas?
  • Qual seria o impacto ambiental de tirar milhões de veículos da estrada durante esse período?
  • Houve alguma economia em termos de eletricidade, água e outras contas de insumos?
  • Estar no escritório significa realmente estar no trabalho?

Esses mesmos pontos estavam sendo debatidos muito antes da pandemia. O empresário e filantropo Andrew Barnes, em seu Ted Talk intitulado “The 4-day week”, fala sobre produtividade.

Ele diz que “os britânicos só são produtivos durante duas horas e meia do dia”. Para os canadenses, o número é ainda mais baixo: uma hora e meia. Portanto, reduzir o número de dias de trabalho em troca de maior concentração e produtividade seria um bom negócio, diz ele.

Barnes é o fundador da Perpetual Guardian, uma empresa de gestão de fortunas sediada na Nova Zelândia. Em 2018, a companhia lançou um projeto piloto com o objetivo de implementar a semana de quatro dias. O projeto tem sido um sucesso desde então. No entanto, a Nova Zelândia não foi o único país a aderir à semana de quatro dias.

Quais são os principais países que estão aderindo à semana de quatro dias de trabalho?

Os principais países que aderiram à semana de quatro dias são, na sua maioria, países europeus. Lugares como a Dinamarca, França, Espanha e até mesmo o Reino Unido estão entre os maiores entusiastas de encurtar a semana.

Mas foi na Islândia que a nova tendência encontrou seu maior adotante. Entre 2015 e 2019, o país realizou uma experiência nacional com a intenção de provar seu ponto de vista. Para isso, 1% da população foi posta a trabalhar numa escala 4×3.

A experiência resultou em alguns pontos consideráveis, tais como as negociações entre os sindicatos para que a redução das horas trabalhadas fosse permanente, uma vez que a experiência tivesse terminado. Isso foi feito sem prejuízo dos salários.

Além de seu sucesso na Europa, a semana de quatro dias atravessou fronteiras. Os Emirados Árabes Unidos, por exemplo, foram o primeiro país a estabelecer a semana de quatro dias em escala institucional. Isso significa que as entidades governamentais e até mesmo o Banco Central abraçaram essa nova realidade.

Apesar dos dados globais apresentados, não são apenas os países que aderem à semana de quatro dias. Muitas empresas privadas optaram por implementar essa nova modalidade.

E as principais companhias?

Além do Perpétuo Guardião, outras companhias mudaram para a semana de 4 dias. A Unilever da Nova Zelândia foi uma delas. Em 2020, a companhia lançou uma experiência de um ano para avaliar os resultados da implementação.

E não para aí: a cadeia americana de fast-food Shake Shack iniciou uma redução da semana de trabalho para 32 horas em 2020. A experiência manteve os salários intactos e cobriu um terço dos ramos da cadeia.

Seguindo na mesma direção, a Microsoft Japão realizou uma experiência de 4 dias de trabalho semanal em 2019. Ocorreu durante o mês de agosto e resultou em um aumento de 40% na produtividade dos funcionários cobertos.

Também no Japão, a gigante tecnológica Panasonic anunciou a oferta de uma semana de trabalho de 4 dias para os funcionários interessados.

A semana de 4 dias tem algum impacto sobre o salário do empregado?

Um dos principais objetivos da semana de quatro dias é assegurar o bem-estar dos funcionários. Portanto, a redução salarial não contribuiria para incentivar o empregado a aderir a esse novo regime de trabalho de maneira positiva.

A manutenção dos salários dos trabalhadores foi, de fato, um dos pontos-chave levantados por Andrew Barnes ao integrar a semana de quatro dias em sua companhia Guardião Perpétuo. Assim como na Islândia, durante o período de quatro anos para sua implementação nacional.

Como funciona na prática a semana de 4 dias?

Depende da companhia. Normalmente, ela vai de segunda a quinta-feira, com a sexta-feira incorporada ao fim de semana. Nessa modalidade, a prática de horas extras para compensar o dia adicional de folga não costuma ocorrer. Em outras palavras, são trabalhadas 32 horas por semana.

Outras empresas, como a agência digital Versa, optaram por oferecer quarta-feira como dia de folga para os funcionários. O movimento ficou conhecido como “Quarta-feira sem trabalho”, e a ele já se juntaram outras companhias em todo o mundo, especialmente na Austrália.

Esse é o caso de outra agência digital, a Redback Solutions, que também implementou o programa de quarta-feira fora. A decisão para a semana de quatro dias foi baseada na constatação de que os funcionários se sentiam mais cansados à medida que a semana chegava ao fim.

Quais são as implicações para a saúde mental dos funcionários?

As implicações para a saúde mental dos funcionários giram em torno do conceito de bem-estar, ou bem estar corporativo. Os funcionários trabalham mais confortavelmente quando sentem empatia de seus dirigentes, proporcionando maior produtividade para a empresa.

Além disso, poder passar mais tempo com a família e ter tempo para lazer e atividades agradáveis também são benefícios para uma vida mais saudável. Na Islândia, os trabalhadores relataram redução do estresse e do risco de burnout.

No entanto, os benefícios não se limitam à saúde mental dos trabalhadores. Há outras áreas que são afetadas, como a social e a ambiental, como o senhor verá a seguir.

Quais são os principais benefícios que podemos ter ao adotar a semana de 4 dias?

A semana de quatro dias surgiu como uma alternativa às rotinas de trabalho e às cargas de trabalho estressantes para as empresas. Ao desligar por um dia extra, o funcionário desfruta de uma recarga emocional e física que lhe permite melhorar seu desempenho no retorno.

Além do desempenho, os benefícios da semana de 4 dias cobrem outras áreas. Nesse caso, eles estão divididos entre ambiental, social e corporativo.

Impactos ambientais

Com a redução dos veículos que circulam no dia extra de folga, houve uma redução da pegada de carbono produzida. Um estudo realizado pelo Reino Unido em 2021 mostra que a semana de 4 dias é responsável por uma redução de 21% nas emissões de carbono.

Isso seria equivalente a tirar toda a frota de carros particulares (equivalente a 27 milhões de carros) da estrada. O estudo também mostra que esse movimento ajudaria o país a atingir suas metas climáticas declaradas.

Impactos sociais

Pesquisas conduzidas pela Universidade de Tecnologia de Auckland mostram um aumento de 24% no equilíbrio trabalho-vida do funcionário. Isso significa que o funcionário pode expandir suas redes de relações e aproveitá-las de uma maneira mais significativa.

Outro ponto a considerar é a responsabilidade compartilhada pelo cuidado da família. Com a semana de quatro dias, pais e cuidadores têm mais tempo para dedicar às atividades parentais e para desfrutar de tempo de qualidade com seus filhos.

Impactos sobre o setor empresarial

Não é surpreendente que o setor corporativo também se beneficie da semana de 4 dias. Em primeiro lugar, as companhias relataram um aumento de 18% nas taxas de engajamento de funcionários na tabela comparativa entre 2017 e 2021.

Além disso, as taxas de absenteísmo também foram reduzidas, houve maior comprometimento com prazos e resultados, e as relações interpessoais e de equipe melhoraram.

A organização não-governamental 4 Day Week também apresentou dados importantes:

  • 63% das empresas acharam mais fácil atrair e reter talentos graças à oferta de 4 dias semanais;
  • 78% dos funcionários se sentem mais felizes e relatam menos estresse no trabalho.

Até agora, os benefícios e as mudanças apresentadas fazem parte do local de trabalho internacional. E no Brasil, a semana de 4 dias foi um sucesso? Saiba mais abaixo.

E no Brasil, como funciona a semana de 4 dias?

No Brasil, a semana de 4 dias ainda tem poucos apoiadores. Zee.Dog, uma companhia de fornecimento de animais de estimação, adotou a quarta-feira como dia de folga em 2020. Desde então, o relatório informa um aumento de 20% na produtividade.

Outra companhia que incorporou a prática em sua rotina foi a Crawly, uma empresa de mineração de dados em Minas Gerais. A única diferença é que a semana de quatro dias está em vigor desde que a companhia abriu suas portas em 2017.

Pedro Naroga, o CTO da companhia, diz que ao estender o fim de semana para três dias, a recepção de currículos e ofertas foi ótima. Outro ponto é a drástica redução do pessoal e da rotatividade de funcionários. “É muito raro que alguém peça para sair”, diz ele.

Considerando a legislação brasileira, como é a semana de quatro dias no país?

De acordo com a Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), não há impedimento legal para a adoção da semana de 4 dias. A lei diz que há um limite máximo, que é de 44 horas trabalhadas por semana. Se o empregador quiser oferecer menos, isso é possível.

No entanto, é preciso prestar atenção à igualdade e à justiça. O número de horas trabalhadas deve ser o mesmo para todos os funcionários. Além disso, é necessário manter o 13o salário e o pagamento de férias, sem prejuízo para o trabalhador.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.