Saiba quem é Elizeta Ramos, que assume a PGR interinamente

[ad_1]

Subprocuradora é vice-presidente do Conselho Superior do MPF; Lula disse não haver “pressa” para a indicação do titular

A subprocuradora-geral da República, Elizeta Maria de Paiva Ramos, assume nesta 4ª feira (27.set.2023) o comando da PGR (Procuradoria-Geral da República) interinamente. Ramos é vice-presidente do Conselho Superior do MPF (Ministério Público Federal). Ficará no cargo até a posse do novo procurador-geral. 

O substituto de Augusto Aras será indicado pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e nomeado depois da aprovação no Senado. Na 2ª (25.set), o petista disse não haver “pressa” para a indicação, considerada estratégica porque cabe ao PGR, como chefe do MPF, propor processos contra o presidente da República.

A subprocuradora Elizeta Ramos é coordenadora da Câmara de Controle Externo da Atividade Policial e Sistema Prisional. Além disso, atuou como corregedora-geral e procuradora Eleitoral substituta no MPF. Também já integrou a Câmara Criminal e coordenou a Câmara de Direitos Sociais e Fiscalização de Atos Administrativos em Geral.

Bacharel em direito pela Faculdade de Direito da Universidade Gama Filho, no Rio de Janeiro, iniciou a carreira no MPF em dezembro de 1989, quando foi nomeada para o cargo de procuradora. Em dezembro de 2009, foi promovida por merecimento a subprocuradora geral da República.

Como corregedora, Elizeta abriu sindicância em junho de 2020 para apurar a ida da subprocuradora Lindôra Araújo –nomeada vice-procuradora-geral da República por Aras em abril de 2022– para se reunir com integrantes da Lava Jato em Curitiba.

Em dezembro de 2022, a subprocuradora viralizou nas redes sociais depois de criticar o serviço de transporte oferecido pela PGR.

À época, Elizeta declarou que os serviços do órgão funcionavam bem, mas que havia problemas nos transportes. Ela relatou que combinou com o serviço da PGR para buscá-la em 6 de dezembro, mas foi informada que o funcionário “já estava na rua”. Por esta razão, a subprocuradora disse que pediu “imediatamente um Uber”.

Elizeta também criticou a administração da PGR por não ter substituído o seu motorista que teria entrado em férias. “Eu perdi meu motorista por causa de férias. Foram dados 3 meses de férias direto para ele, eu não entendo bem como que a administração dá 3 meses de férias para um motorista e não reverte isso”, disse.

Depois de ter dito que solicitou um motorista de aplicativo, a subprocuradora ironizou: “Ah, mas subprocurador não pode andar de Uber? Claro que pode, né, a gente pode”.

Assista (5min9s):



[ad_2]

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *