Putin defende entrada do Brasil no Conselho de Segurança da ONU


Presidente russo afirma que outros países, como Índia e África do Sul, também deveriam ter mais protagonismo

O presidente da Rússia, Vladimir Putin, defendeu nesta 5ª feira (5.out.2023) que o Brasil tenha um assento permanente no Conselho de Segurança da ONU (Organização das Nações Unidas).

O líder russo também citou a Índia e África do Sul como atores globais sem representação proporcional à sua relevância e defendeu a expansão do Brics, grupo formado atualmente pelos 4 países mais a China e que terá 6 novos integrantes a partir de 2024.

A declaração foi feita durante fórum em Moscou para discutir a multipolaridade da geopolítica global. Quando questionado sobre as mudanças na política internacional desde a criação da ONU, após o final da 2ª Guerra Mundial (1939-1945), Putin disse ser necessário “adaptar-se às demandas atuais e à evolução global”.

“Nesse contexto, é evidente que o Conselho de Segurança da ONU deve admitir países que desempenham um papel importante nos assuntos mundiais e que, devido ao seu potencial, têm a capacidade e a influência necessárias para resolver questões internacionais cruciais”, disse o presidente russo.

Ele então citou o Brasil, destacando que a população brasileira é “enorme” e que o país passa por um “crescimento de influência colossal”. Putin mencionou ainda a Índia e África do Sul como países que deveriam ter um peso maior na tomada de decisões na agenda internacional.

O Conselho de Segurança, porém, só pode ser reformado se seus 5 integrantes permanentes (EUA, Rússia, China, França e Reino Unido) votarem de maneira unânime.

Ao falar sobre o Brics, Putin disse estar “feliz” com a expansão do bloco e chamou o processo de “positivo”.

“Agora, estamos avançando com a expansão e aumentando o número de integrantes da organização. Na minha perspectiva, isso é de grande importância, pois reflete o crescimento da influência e, mais significativamente, a disposição de adotar um formato que não impõe obrigações ou restrições, mas, em vez disso, estabelece as bases para encontrar compromissos e resolver questões que são do interesse de todos os países participantes”, acrescentou.

A expansão foi anunciada em agosto pelo presidente sul-africano, Cyril Ramaphosa, durante a 15ª cúpula do Brics, realizada em Joanesburgo (África do Sul). Ele estava acompanhado de Luiz Inácio Lula da Silva (Brasil), Xi Jinping (China), Narendra Modi (Índia) e Sergey Lavrov (Rússia). Com risco de ser preso, Putin participou por videoconferência.

Eis os 6 países que integrarão o grupo a partir de janeiro de 2024:

  • Argentina;
  • Arábia Saudita;
  • Egito;
  • Emirados Árabes Unidos;
  • Etiópia;
  • Irã.

A Rússia assume a presidência do Brics a partir do próximo ano. Será a 1ª vez que a cúpula será realizada com a participação dos novos integrantes da organização.

“Temos um plano de realizar 200 eventos dentro do âmbito do Brics ao longo de um ano. Tenho a certeza de que esse esforço irá gerar resultados positivos significativos, fortalecendo ainda mais uma organização que está ganhando crescente influência e poder”, disse.

“Essa evolução, sem dúvida, trará benefícios tanto para os membros da organização quanto para a comunidade internacional como um todo”, concluiu Putin.



Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *