PF diz à “Globo” que Bolsonaro sabia sobre venda de joias


Emissora teve acesso a vazamento das investigações da Polícia Federal e diz que mensagem no celular de Mauro Cid mostra conhecimento do ex-presidente sobre destino de presentes

A PF (Polícia Federal) confirmou ao programa Fantástico, da TV Globo, que o ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) sabia das tentativas de Mauro Cid, seu ex-ajudante de ordens, de vender presentes entregues por delegações estrangeiras.

A prova que o ex-presidente tinha conhecimento do esquema de venda de joias está nas mensagens recuperadas do celular do tenente-coronel, apreendido pela PF em maio deste ano, segundo a emissora.

A perícia dos celulares ainda não foi finalizada pela corporação. Na última 5ª feira (17.ago.2023), o ministro Alexandre de Moraes, do STF (Supremo Tribunal Federal), autorizou a quebra de sigilo bancário do ex-presidente e de Michelle Bolsonaro.

Além disso, Moraes autorizou o pedido feito por Acordo de Cooperação Internacional pela PF para quebrar o sigilo da conta bancária de Bolsonaro nos Estados Unidos.

O objetivo é identificar se o ex-chefe do Executivo foi beneficiado com o dinheiro da venda, por integrantes de seu governo, de presentes dados por delegações estrangeiras.

A reportagem exibida neste domingo (21.ago.2023) mostra parte da perícia feita nas joias e presentes dados ao ex-presidente pela Arábia Saudita. A corporação informou ao programa que monitora outros bens dados a Bolsonaro pelo governo saudita.

Os conjuntos de joias exibidos na reportagem somam quase R$ 6 milhões. Entre eles, o colar enviado para a então primeira-dama, Michelle Bolsonaro, que foi avaliado no valor de R$ 4,15 milhões.

JOIAS & OPERAÇÃO DA PF

A PF (Polícia Federal) deflagrou em 11 de agosto a operação Lucas 12:2.

Foram alvos de buscas:

  • Mauro Cid – ex-ajudante de ordens de Bolsonaro;
  • Mauro Cesar Lourena Cid – general da reserva e pai de Cid;
  • Osmar Crivelatti – braço direito de Cid;
  • Frederick Wassef – ex-advogado da família Bolsonaro.

Os agentes investigam se houve tentativa de vender presentes entregues a Bolsonaro por delegações estrangeiras. Segundo a PF, relógios, joias e esculturas foram negociados nos Estados Unidos –veja aqui as fotos dos itens e leia neste link a íntegra do relatório da PF. O suposto esquema seria comandado por Cid e Crivelatti.

A Polícia Federal quer ouvir Bolsonaro e Michelle. Em nota, a defesa de Bolsonaro negou que ele tenha desviado ou se apropriado de bens públicos. Afirma que a movimentação bancária do ex-chefe do Executivo está à disposição da Justiça.

O nome da operação –Lucas 12:2– faz alusão a um versículo da Bíblia: “Não há nada escondido que não venha a ser descoberto, ou oculto que não venha a ser conhecido”.



Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *