Nobel de Medicina vai para cientistas ligados à vacina contra covid

[ad_1]

Katalin Karikó e Drew Weissman foram responsáveis por pesquisas que auxiliaram a desenvolver vacinas de RNA mensageiro

A húngara Katalin Kariko e o norte-americano Drew Weissman foram laureados nesta 2ª feira (2.out.2023) com o Nobel de Medicina 2023. Segundo a Assembleia do Nobel no Instituto Karolinska, da Suécia, eles foram premiados “por suas descobertas sobre modificações de bases de nucleosídeos” que permitiram o desenvolvimento de vacinas de mRNA (RNA mensageiro) eficazes contra a covid-19.

Segundo o comitê do Nobel, as “descobertas inovadoras” dos cientistas “mudaram fundamentalmente” a compreensão “de como o mRNA interage com o sistema imunológico”. Com isso, eles contribuíram para que fossem criadas um número “sem precedentes” de vacinas “durante uma das maiores ameaças à saúde humana nos tempos modernos”. Eis a íntegra (PDF – 1 MB) do comunicado, em inglês. Katalin Kariko e Drew Weissman vão dividir o prêmio de 11 milhões de coroas suecas (cerca de R$ 5 milhões).

A tecnologia de mRNA é usada há décadas e não se restringe aos imunizantes. Entretanto, foi no combate ao vírus da covid-19 que ganhou notoriedade. Foi usada, por exemplo, pela Pfizer e pela Moderna em seus imunizantes contra a covid-19.

A vacina é feita a partir de um agente sintético de mRNA, que corresponde a uma determinada proteína do agente infeccioso ao invés do agente em si. Isso faz com que as células produzam proteínas específicas para combater a doença.

No caso da covid-19, o mRNA usado é um trecho de RNA responsável por dar a receita para que as células produzam exatamente a proteína spike do Sars-CoV-2, usada para entrar nas células do corpo. O mRNA está dentro de um lipídio cuja função é entrar nas células para que elas produzam sua própria proteína spike.

As células então fazem o processamento desta proteína e a apresentam para os linfócitos T. Estes linfócitos T, presentes no sistema imunológico, são responsáveis por combater o vírus sempre que entrarem em contato com ele.

Conforme o comitê do Nobel, a bioquímica húngara Katalin Karikó se dedicou ao desenvolvimento de métodos para usar o mRNA no combate a doenças. Na década de 1990, o cientista norte-americano Drew Weissman se juntou a sua pesquisa, dando início a “uma colaboração frutífera entre os 2, concentrando-se em como os diferentes tipos de RNA interagem com o sistema imunológico”.

Eles descobriram que a resposta inflamatória causada em experiências anteriores com o uso da tecnologia “foi quase abolida quando modificações de base foram incluídas no mRNA”. Esta foi, segundo o Nobel, “uma mudança de paradigma” na compreensão de como as células reconhecem e respondem a diferentes formas de mRNA.

Karikó e Weissman compreenderam imediatamente que a sua descoberta tinha um significado profundo para a utilização do mRNA como tratamento. Estes resultados seminais foram publicados em 2005, 15 anos antes da pandemia de covid-19”, lê-se no comunicado.

Leia o calendário de divulgação dos demais prêmios Nobel de 2023:

  • Física – 3ª-feira (3.out);
  • Química – 4ª feira (4.out);
  • Literatura – 5ª feira (5.out);
  • Paz – 6ª feira (6.out);
  • Ciências Econômicas – 9 de outubro.



[ad_2]

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *