Massa rejeita deixar cargo de ministro por campanha argentina


Candidato à Presidência da Argentina, ministro diz que renúncia “causaria muitos danos à estabilidade econômica”

O ministro da Economia da Argentina e candidato à Presidência do país, Sergio Massa, disse na 4ª feira (16.ago.2023) que não renunciará ao cargo no governo. Depois do resultado nas primárias realizadas no domingo (13.ago) –o pior dos peronistas em 12 anos–, especulou-se que ele deixaria a gestão para se dedicar à campanha.

Quando estou na frente da tempestade, pego o leme e não solto mais”, declarou Massa em entrevista ao programa “A dos voces”, no canal TN. Ele afirmou que uma renúncia “causaria muitos danos à estabilidade econômica”.

Segundo Massa, o resultado das primárias “deixa o governo na concorrência”. O ministro, no entanto, admitiu que os votos indicaram que os argentinos “têm a sensação” de virem de “muitos anos de frustrações e fracassos”.

Massa ficou em 2º lugar nos votos individuais nas primárias, mas em 3º quando somados os resultados dos 2 candidatos do direitista Juntos por el Cambio. A disputa pela Presidência argentina está agora reduzida a 5 candidatos: Javier Milei, Sergio Massa, Patricia Bullrich, Juan Schiaretti e Myriam Bregman.

Massa falou que a votação surpreendente de Javier Milei é a expressão “de argentinos que disseram que estavam com raiva”. O ministro afirmou: “Eu sei ganhar, eu sei perder. Faço política porque amo este país”.

Javier Milei tem 52 anos e liderou com 30,4% dos votos a eleição primária de 13 de agosto de 2023. Ele é de direita e tem ideias ultraliberais na economia. Defende fechar o Banco Central do país e trocar o peso pelo dólar dos EUA. Concorre pela coalizão “La Libertad Avanza” (em português, A Liberdade Avança). Autodefine-se como “anarcocapitalista” “libertário”.

FMI

Massa disse saber “do prejuízo que a desvalorização [cambial] faz” a uma sociedade atingida pela alta do dólar e pelo aumento dos preços. Na próxima semana, ele vai viajar na próxima semana para os Estados Unidos e se encontrar com o FMI (Fundo Monetário Internacional) para tentar desbloquear US$ 7,5 bilhões.

As pessoas têm de saber que não fui eu que trouxe o Fundo, que é um acordo que eu nem assinei como ministro, e que hoje estamos rediscutindo, mudando as condições, para que o prejuízo que o Fundo representa não seja tão alto”, falou. O acordo com o FMI foi feito durante o governo do ex-presidente argentino Maurício Macri.



Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *