Lula diz que guerra na Ucrânia “escancara” incapacidade da ONU

[ad_1]

Sem citar a Rússia, presidente critica sanções e pede diálogo; Zelensky acompanhou da plateia o discurso do petista

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) afirmou nesta 3ª feira (19.set.2023) que a guerra na Ucrânia “escancara” a incapacidade dos países integrantes da ONU (Organização das Nações Unidas) de fazer prevalecer a paz. O presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky, estava na plateia durante o discurso de abertura da 78ª Assembleia-Geral da ONU.

“A guerra da Ucrânia escancara nossa incapacidade coletiva de fazer prevalecer os propósitos e princípios da Carta da ONU. Não subestimamos as dificuldades para alcançar a paz. Mas nenhuma solução será duradoura se não for baseada no diálogo”, disse Lula.

O presidente voltou a criticar o dinheiro gasto em guerras e defendeu negociações diplomáticas. Segundo ele, “investe-se muito em armamentos e pouco em desenvolvimento”.

Lula afirmou ainda que o Conselho de Segurança da ONU vem “perdendo progressivamente sua credibilidade”. Ele justificou que a razão para isso seriam as ações dos integrantes permanentes, que, segundo o presidente, são responsáveis por guerras em busca de expansão territorial ou de mudança de regime.

Para o chefe do Executivo brasileiro, a paralisia do grupo é a “prova mais eloquente da necessidade e urgência de reformá-lo”, visando a uma maior representatividade.

O Brasil pleiteia há tempos uma vaga no Conselho de Segurança. O tema esteve em todos os 8 discursos feitos por Lula na Assembleia Geral da ONU e tem sido enfatizado neste 3º mandato.

Uma reforma, contudo, é muito improvável, já que teria de ser aprovada de forma unânime pelos 5 integrantes permanentes –China, Estados Unidos, França, Reino Unido e Rússiae os norte-americanos não devem ceder facilmente.

Ainda em discurso na ONU, Lula criticou a prática de sanções econômicas, pontuando que elas causam diversos prejuízos à população dos países afetados e não alcançam seus objetivos, “dificultando processos de mediação, prevenção e resolução pacífica de conflitos”.

O presidente, contudo, não citou a Rússia, que desde o início da guerra tem sofrido sanções, mas defendeu o fim do embargo econômico e financeiro imposto a Cuba pelos Estados Unidos.

Assista à íntegra do discurso de Lula na ONU (21min22s):


Esta reportagem foi produzida pela estagiária de jornalismo Gabriela Boechat sob supervisão do editor-assistente Gabriel Máximo.



[ad_2]

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *