Invasões do MST sob Lula se igualam ao registrado nos 4 anos de Bolsonaro


De janeiro a agosto, país contabilizou quase o triplo de 2022; 11 Estados registraram invasões

Nos primeiros 8 meses do governo de Luiz Inácio Lula da Silva (PT), o MST (Movimento dos Trabalhadores Rurais sem Terras) invadiu 62 terras, entre privadas e públicas, em 11 Estados. O número se iguala ao registrado durante os 4 anos de gestão do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL).

As informações foram mapeadas pela CNA (Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil), a partir de dados do Sistema Nacional de Informações de Segurança Pública, do Ministério da Justiça e Segurança Pública.

Nos 4 anos do governo Bolsonaro, foram registradas 11 ocupações em 2019; 11 em 2020; 17 em 2021; e 23 em 2022. O maior número de notificações em 1 ano ocorreu durante o 2º mandato de Lula, em 2007.

Confira abaixo o histórico de invasões do movimento social, de 2005 a agosto de 2023. 

De acordo com o levantamento, até agosto de 2023, o Nordeste respondia à metade dos casos registrados, com 18 invasões na Bahia e 13 em Pernambuco. Além disso, tiveram 15 ocupações no Sudeste, 8 no Centro-Oeste, 6 no Norte e duas no Sul.

Confira abaixo o número de invasões por Estado no país. 

O aumento das invasões virou pauta no Congresso Nacional durante a CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) do MST, de relatoria do deputado federal Ricardo Salles (PL-SP). Os dados da CNA foram apresentados à comissão e constará no relatório final, a ser apresentado no dia 4 de setembro.

Ao longo dos trabalhos, a CPI chegou a convocar diferentes líderes do movimento social, além de 2 ministros do governo Lula. Carlos Fávaro, ministro da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, condenou as ocupações irregulares, mas reforçou que ainda conhece “bons exemplos” dentro do MST. Já Paulo Teixeira, ministro do Desenvolvimento Agrário e Agricultura Familiar, afirmou que não há “uma onda de ocupação” sob a gestão de Lula e destacou que o governo planeja retomar a reforma agrária no país.



Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *