Entenda por que o Brasil abre a cerimônia da ONU desde 1955

[ad_1]

Presidente Lula fará o discurso de abertura da Assembleia Geral pela 8ª vez nesta 3ª feira (19.set)

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) está em Nova York (Estados Unidos), onde é realizada a 78ª Assembleia Geral da ONU (Organização das Nações Unidas) de 19 a 26 de setembro. Nesta 3ª feira (19.set), o petista fará o discurso de abertura do evento pela 8ª vez.

É uma tradição. Desde 1955, os brasileiros são responsáveis pela 1ª fala dentre os chefes de Estado da assembleia. São seguidos pelo presidente dos Estados Unidos, que é sempre o anfitrião do encontro.

Não há consenso ou registro formal do motivo pelo qual o Brasil começa o debate geral da ONU. A teoria mais aceita é de que seria uma homenagem ao advogado e político Oswaldo Aranha (1894-1960).

O diplomata presidiu a 1ª Sessão Especial da Assembleia da ONU, em 1947. Naquele encontro, deu importante apoio à decisão da organização pela Partilha da Palestina, que levou à criação do Estado de Israel. 

Na época, a recém-criada ONU deveria pensar uma estratégia para dividir, entre árabes e judeus, o território palestino, que havia sido largamente afetado pela 2ª Guerra Mundial.

A criação de Israel dependia de 2/3 de votos favoráveis dos países presentes na assembleia. A articulação política de Aranha perante ao voto de países latino-americanos que gostariam de se aproximar do Brasil teria sido decisiva para que a votação não fosse adiada e para que o mínimo de votos fosse alcançado.

Aranha foi cogitado como candidato ao prêmio Nobel da Paz pela ação.

Contudo, outra teoria aceita para o “privilégio” brasileiro é que, nas primeiras sessões da assembleia, o Brasil teria se voluntariado a falar 1º e a tradição seguiu dessa forma.

A partir de então, a ordem tradicional dos discursos é:

  1. secretário-geral da ONU;
  2. representante do Brasil;
  3. representante dos Estados Unidos;
  4. demais países, organizados a partir de critérios como a hierarquia do cargo do representante.

Esta reportagem foi produzida pela estagiária de jornalismo Gabriela Boechat sob supervisão do editor-assistente Gabriel Máximo.



[ad_2]

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *