Em videoaula, Paulo Guedes elogia medidas de governos petistas

[ad_1]

Ex-ministro da Economia de Bolsonaro cita Bolsa Família como positivo e diz que divisão entre direita e esquerda deve acabar

O ex-ministro da Economia de Jair Bolsonaro (PL), Paulo Guedes, elogiou programas criados em gestões petistas em videoaulas no YouTube. O economista divulgou uma série de produções para promover o lançamento de seu MBA em Macroeconomia e Portfolio Management em parceria com influenciador Thiago Nigro, conhecido como “O Primo Rico”.

Na videoaula intitulada “Paulo Guedes e o fim da disputa direita X esquerda”, publicada na 4ª feira (20.set.2023), o ex-ministro diz que há “muita coisa boa e muita coisa ruim” nas administrações petistas. “Nós podemos falar, entre as coisas boas, a preocupação com a inclusão dos mais frágeis no orçamento público, a ideia inicial de orçamento participativo, a ideia inicial de transparência, exatamente para acabar com a corrupção”, afirma Guedes.

Em seguida, o economista declara que apesar de muitas coisas interessantes, houve pouco “capital institucional”.

Segundo Guedes, o principal legado institucional do PT foi o Bolsa Família, que ele classificou como “uma política consistente de transferência de renda para os mais frágeis”.

Em momento de sua aula, o ex-ministro defende a ideia de que governos do Brasil pós-ditadura militar (1964-1985) sempre foram de esquerda e que esse caminho se tornou cíclico. “O espectro político brasileiro é só esquerda? Onde que estão os conservadores? Onde é que estão os liberais?”, questiona.

De acordo com ele, formou-se no Brasil uma aliança de conservadores e liberais, que constituíram o governo Bolsonaro. Guedes defende se deve permanecer numa disputa entre de esquerda e direita, mas sim, buscar “a grande sociedade aberta”, um espaço brando e de cooperação política.

No 1º módulo, o ex-ministro chama o teórico do socialismo Karl Marx (1818-1883) de “um pós-Ricardiano menor” –em referência a David Ricardo (1772-1823), economista clássico. Segundo Guedes, a teoria do valor do trabalho é completamente equivocada e manipulada por Marx, que “se transformou numa religião laica”.

Complementando sua crítica ao pai do socialismo, o economista finaliza: “O marxismo continua levando países à miséria até hoje”.



[ad_2]

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *