Cingapura executa 1ª mulher por tráfico de drogas em quase 20 anos

[ad_1]

Saridewi Binte Djamani foi enforcada na 6ª feira (28.jul); última execução feminina no país foi em 2004, também por tráfico

A Cingapura executou uma mulher na última 6ª feira (28.jul.2023) condenada por tráfico de drogas. Esta é a 1ª execução feminina no país em quase 20 anos.

Saridewi Binte Djamani, de 45 anos, foi enforcada depois de ter sido sentenciada a morte em 6 de julho de 2018 por tentar traficar 31 gramas de heroína.

A confirmação da sua execução foi divulgada por meio de nota do CNB (sigla para Departamento Central de Narcóticos), na 6ª feira (28.jul).

Saridewi recebeu o devido processo legal de acordo com a lei e foi representada por um advogado durante todo o processo”, diz a nota. Ela apelou contra sua condenação e sentença, e o Tribunal de Apelação indeferiu seu recurso em 6 de outubro de 2022″

Segundo a instituição, a Lei do Uso Indevido de Drogas diz que a pena de morte é prevista para quantidades de heroína superiores a 15 gramas, menos da metade pela qual a cingapuriana foi condenada.

Até agora, a última mulher executada na Cingapura havia sido Yen May Woen, em 2004, também por tráfico de drogas.

Ainda segundo o departamento de narcóticos, a pena de morte é aplicada apenas para crimes “mais graves”, como em caso de tráfico de quantidades de droga que podem causar danos não apenas a usuários individuais, “mas às suas famílias e à sociedade”.

O país, que tem umas das leis mais duras para o crime, afirma que a pena capital faz parte de uma estratégia de prevenção de danos tanto para a demanda quanto para a oferta de drogas.

COLETIVO DE DIREITOS HUMANOS REAGE

O coletivo de direitos humanos TJC (sigla em inglês para Coletivo de Justiça Transformativa), que monitora casos no corredor da morte no país, anunciou ainda no domingo (23.jul) que Saridewi seria executada e se manifestou contra.

Condenamos a determinação do Estado em continuar tirando vidas em nosso nome, como parte de uma guerra implacável e injusta contra as drogas. Reiteramos nosso apelo por uma moratória sobre o uso da pena de morte enquanto se aguarda uma revisão completa e independente do regime de pena de morte”, disse em publicação em rede social.

Além da morte da cingapuriana, o coletivo também noticiou a execução de Mohd Aziz bin Hussain, 56, condenado por traficar cerca de 50 gramas de heroína e outra execução, que está marcada para a 5ª feira (3.ago). Segundo o TJC, se esta se confirmar, será a 5ª neste ano.



[ad_2]

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *