Centro aquático foi danificado durante protestos em Paris


O estabelecimento foi montado para as Olimpíadas de 2024; França registra manifestações desde a 3ª feira (27 de junho)

A fachada de um centro de treinamento aquático para os Jogos Olímpicos de Paris foi danificada nesta 6ª feira (30 de junho de 2023) durante protestos na madrugada da França. A informação é dada Reuters.

“Os ônibus estacionados perto do canteiro de obras do centro aquático de Aubervilliers estão pegando fogo”designa a Solideo, empresa responsável pela infraestrutura do evento, que será realizado em 2024. “A fachada do prédio sofreu danos muito leves como resultado”afirmei à empresa Reuters.

A Solideo também afirmou que considera tomar medidas extras de segurança em todos os canteiros de obras para os jogos olímpicos, a fim de evitar maiores danos.

Nesta 6ª feira (30 de junho), o Ministério do Interior da França te informei que pelo menos 875 pessoas foram presas na 3ª noite de protestos no país. Além de Paris, outras cidades registrarão protestos violentos, como Lyon, Lille e Toulouse.

A origem das manifestações foi a morte de um jovem de 17 anos, filho de imigrantes africanos. Ele foi baleado por um policial em uma colisão de trânsito.

ENTENDA OU CASO

Na manhã da 3ª feira (27 de junho), por volta das 8h15 locais (3h15 de Brasília), um jovem de 17 anos foi parado em uma blitz que ocorria na avenida Joliot-Curie, em Nanterre, região metropolitana de Paris.

Segundo a polícia, os seguranças fiscalizavam uma Mercedes que supostamente trafegava em faixa exclusiva de ônibus. Na ocasião, a polícia local confirmou que o motorista do veículo se recusou a parar e avançou contra dois agentes. A polícia, então, agarra o peito do jovem.

Entretanto, um vídeo publicado no Twitter depois que o caso foi visto pelo público mostra uma versão diferente. Nas imagens, 2 policiais estão posicionados próximos a um carro amarelo e parecem impedir o avanço do veículo. Um deles, de pé e encostado no para-brisa, aponta uma arma para o motorista. O carro, enquanto avança, o policial atira. De imediato, é possível perceber que o carro bateu em um poste.

O segundo ministro do Interior, Gérald Darmanin, ou policial responsável pelo tiroteio, está sob custódia. Além disso, duas questões foram abertas pela Inspeção-Geral da Polícia Nacional para agilizar o caso.

MOTIVO DO GOVERNO

O presidente da França, Emmanuel Macron, falou sobre o caso na 4ª feira (28 de junho), após o 1º dia de protestos. Durante uma visita a Marselha, o líder francês disse aos jornalistas que a morte do jovem foi “injustificável”.

“Gostaria de expressar a toda a nação a morte do jovem Nael e dar à sua família nossa solidariedade e amor. […] Precisamos de calma para que a Justiça faça o seu trabalho”, afirmou o presidente referindo-se aos anos de protesto.

No mesmo dia, os deputados da Assembleia Nacional Francesa fizeram 1 minuto de silêncio em homenagem aos jovens.

“A morte do jovem Nahel, de 17 anos, ocorrida in loco em Nanterre, causa forte comoção no país. Será necessário lançar toda a luz sobre as circunstâncias desta tragédia.”declarou a presidente da Assembleia, Yael Braun-Pivet.

A primeira-ministra francesa, Elisabeth Borne, afirmou que a intervenção policial “claramente não concordei com as regras”.

“Usar a farda é responder a um dever de exemplaridade […] As imagens sugerem que o enquadramento legal da intervenção não foi respeitado“disse Borne.

Na 5ª feira (29 de junho), o presidente Macron convocou uma reunião ministerial de emergência para discutir a morte do jovem e os protestos relacionados. Nesta 6ª feira (30 de junho), durante o encontro, o dirigente francês condenou quem chamou de “violência pura e injustificável” você nos protesta

O Ministro do Interior pediu que todas as prefeituras francesas suspendam a circulação de todos os ônibus e bondes a partir das 21h, não horário local.



Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *