Cemaden se reuniu em agosto com Estados para alertar sobre desastre


Instituto de meteorologia e Defesa Civil de RS, PR, SC e MT participaram; governo gaúcho diz que avisos “foram repassados aos órgãos competentes”

O Cemaden (Centro Nacional de Monitoramento e Alertas de Desastres Naturais) realizou em 31 de agosto reunião com o Inmet (Instituto Nacional de Meteorologia) e a Defesa Civil de Rio Grande do Sul, Paraná, Santa Catarina e Mato Grosso do Sul para tratar do então potencial desastre na região. A informação foi confirmada ao Poder360 pelo climatologista do órgão José Marengo.

Segundo o especialista, também foi realizado 1 dia antes, em 30 de agosto, um outro encontro em que o Cenad (Centro Nacional de Gerenciamento de Riscos e Desastres) anunciou, por escrito, uma situação de risco na região. Depois, as reuniões passaram a ser diárias.

“O Inmet entrou com as previsões de chuva. O Cemaden não faz previsão de chuva, faz de alerta de risco de desastre, nesse caso, de inundação. As informações dos avisos prévios do Cemaden são verdades. Esse é o trabalho, é a forma como fazemos. Nosso papel não é emitir alertas diretamente para a população”, disse.

Marengo afirmou que, a partir dos alertas emitidos ao Cenad e à Sedec (Secretaria Nacional de Proteção e Defesa Civil), é papel desse último repassar o aviso para as secretarias dos municípios. Cabe as cidades tomar providências, como retirar a população de locais de risco. “O Cemaden trabalha com a redução de risco de desastres, emissões de alertas para salvar vidas”, disse.

Em nota enviada ao Poder360, o governo do Rio Grande do Sul afirmou que “todas as informações preventivas de desastres são recebidas, processadas e encaminhadas pelo sistema estadual de Defesa Civil”.

Segundo a administração estadual, a Sala de Situação do Estado produziu 20 boletins, 3 avisos hidrometeorológicos e 19 alertas para a população desde 28 de agosto. Além disso, informou que em 4 de setembro o Cemaden emitiu 48 alertas de 0h12 a 5h45, de risco moderado ou alto, para diferentes regiões. “Alertas que foram repassados aos órgãos competentes”, disse.

“O governo do Estado do Rio Grande do Sul reforça que todos esses sistemas buscam o atendimento à comunidade gaúcha com o objetivo de evitar e minimizar os danos provocados por eventos climáticos extremos e garante que está em constante busca por melhorias para dar maior previsibilidade à população”, afirmou o Executivo estadual.

Também em 4 de setembro, a Ceran (Complexo Energético Rio das Antas) informou que a vazão do rio das Antas, localizado em uma das regiões do Estado afetadas, apresentava os níveis mais altos desde a construção das usinas por conta das fortes chuvas e pediu “máximo cuidado”.

“Reforçamos nosso compromisso com a segurança dos nossos colaboradores e das comunidades no entorno. Pelo exposto pedimos à população o máximo cuidado em áreas próximas ao rio e atenção para a situação”, disse. Eis a íntegra do comunicado (PDF – 256 kB).

O Poder360 procurou o Ministério da Integração e do Desenvolvimento Regional e o governo dos Estados do Paraná, de Santa Catarina e do Mato Grosso do Sul neste domingo (10.set) para questionar se houve a reunião informada pelo Cemaden, o recebimento de avisos prévios e quais providências foram tomadas pelas unidades da Federação depois dos alertas de risco emitidos pelos órgãos.

Os contatos foram feitos por e-mail e mensagem via WhatsApp. Até a publicação deste reportagem, nenhuma resposta foi recebida. O espaço segue aberto para manifestação.

CHUVAS NO SUL

Neste domingo (10.set), subiu para 43 o número de mortos por causa das chuvas intensas que atingiram cidades do Rio Grande do Sul. Boletim da Defesa Civil do Estado divulgado às 7h registrou uma morte no município de Cruzeiro do Sul. Em Santa Catarina, uma morte foi registrada na cidade de Jupiá.

O número de desaparecidos no RS segue em 46: 30 de Muçum, 8 de Lajeado e 8 de Arroio do Meio. O Estado tem 150.341 pessoas afetadas, 11.642 desalojadas (que deixaram suas casas, mas estão abrigados com amigos ou familiares) e 3.798 desabrigadas (que estão em abrigos públicos ou privados).

Leia abaixo a íntegra da nota do Governo do RS:

“O governo do Rio Grande do Sul reitera que todas as informações preventivas de desastres são recebidas, processadas e encaminhadas pelo sistema estadual de Defesa Civil.

“O SGB, Serviço Geológico do Brasil – antigamente chamado de CPRM-, realiza o levantamento de áreas vulneráveis para deslizamentos, conforme classificação geológica e capacidade de resistência a eventos climáticos severos. No Rio Grande do Sul, o SGB já realizou mapeamento de áreas de risco em 59 municípios.

“Com base nesses dados, o Cemaden, Centro Nacional de Monitoramento e Alertas de Desastres Naturais, ligado ao Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações, monitora municípios em todas as regiões brasileiras.

“Os alertas emitidos pelo Cemaden são encaminhados para as Defesas Civis estaduais que, por sua vez, repassam para as municipais. No dia quatro de setembro, o Cemaden emitiu 48 alertas entre 0h12 e 5h45, de risco moderado ou alto, para diferentes regiões do Rio Grande do Sul. Alertas que foram repassados aos órgãos competentes.

“Além disso, o Rio Grande do Sul possui a Sala de Situação, que presta serviço de monitoramento hidrometeorológico e atua de forma articulada com a Defesa Civil e a Secretaria do Meio Ambiente e Infraestrutura Estadual. A equipe da Sala de Situação trabalha em regime de plantão 24/7 e é composta por meteorologistas e hidrólogos.

“A Climatempo é a empresa que opera a Sala de Situação do Rio Grande do Sul, por meio de licitação. As salas de situação foram criadas pela Agência Nacional de Água (ANA), que mantém acordos de cooperação com todos os Estados, para repasses de recursos, equipamentos e tecnologias de operação. No Rio Grande do Sul, o acordo de cooperação se dá por meio da Secretaria do Meio Ambiente e Infraestrutura (Sema).

“São empregadas diversas tecnologias de monitoramento e análise das informações obtidas por meio de radares, satélites e estações meteorológicas, propiciando o adequado monitoramento das condições de chuvas, nível de rios e incidência de ventos no Rio Grande do Sul. Quando são identificadas condições que ofereçam risco, são elaborados alertas, levando-se em consideração a severidade de cada evento adverso.

“Assim, a Sala de Situação envia a informação de risco ao Centro de Operações da Defesa Civil (Codec), que emite o alerta às pessoas cadastradas no 40199. Os alertas também são publicados no site da Defesa Civil Estadual, bem como nas redes sociais institucionais e por meio das nove Coordenadores Regionais de Proteção e Defesa Civil.

“Desde o dia 28 de agosto de 2023, a Sala de Situação produziu e enviou 20 boletins, três avisos hidrometeorológicos e 19 alertas que geraram mensagem via SMS à população.

“O Governo do Estado do Rio Grande do Sul reforça que todos esses sistemas buscam o atendimento à comunidade gaúcha com o objetivo de evitar e minimizar os danos provocados por eventos climáticos extremos e garante que está em constante busca por melhorias para dar maior previsibilidade à população.”



Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *