Caso Marielle é “prioridade” e “determinação” de Lula, diz Dino

[ad_1]

Ministro da Justiça afirma ter certeza de que há um mandante do assassinato e que “rede criminosa” não está envolvida em nenhum caso

Ó Ministro da Justiça e Segurança Pública, Flávio Dinoafirmou na 2ª feira (24 de julho de 2023) que a investigação que apressa o assassinato da vereadora Marielle Franco (Psol-RJ) é “prioridade” para ou presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT). O ativista e motociclista Anderson Gomes foi morto em 2018.

“Esta investigação é uma prioridade do presidente Lula. É uma determinação de Lula por Marielle, por fatores políticos sem um sentido específico, mas, sobretudo, por esse entendimento de que é uma investigação que tem um sentido amplo, mais longo”, ele disse. A afirmação foi dada em entrevista ao GloboNews.

O ministro afirmou que o fato de a PF (Polícia Federal) ter certeza de que alguém mandou matar Marielle foi um passo fundamental. “Não é uma certeza intuitiva. É uma certeza que emerge de testes concretos nos autos e este é um salto qualitativo importante na investigação”ele disse.

Também no dia 2 (24 de julho), Dino informou que o ex-policial militar Élcio Queiroz assinou um depoimento premiada e confessou sua participação na morte da vereadora. Queiroz afirmou que a execução foi realizada pelo policial militar reformado Ronnie Lessa e relatou a participação de Maxwell Simões Corrêa, o Suel.

Segundo Dinho, Não foi um crime de impulso, houve uma rede criminosa” não envolveu nenhum crime. “Temos um grupo revelado que mostra uma intensa relação desse crime com outras vertentes do mundo do crime no Rio de Janeiro”ele disse.

“O dia do dia é importante para o caso Marielle, Anderson (o motociclista de Marielle é assassinado)Fernanda (conselheira de Marielle e sobrevivente do ataque) e é importante mostrar o quanto existe essa imbricação inaceitável entre crimes como esse, contra a vida, e outros fatores de estruturação das atividades ilegais no Rio de Janeiro”eu afirmei.

Para o ministro, entretanto, Neste momento da investigação, concorda-se com a existência de “fatores políticos não fazem sentido no sentido estrito da palavra”eu não estaria relatando elementos específicos de dois carros. “O que há, sem dúvida, é um ambiente político ainda pouco compreendido pela palavra”ele disse.

Abaixo, outras declarações de Dino sobre a investigação do caso Marielle:

  • atual interferência política: “Não há interferência política no conteúdo da pesquisa. Conheço então os delegados da investigação, mas há uma determinação que me cabe hierarquicamente […] Esta investigação é prioritária.”
  • realização de pesquisas para esforços anteriores: “Não cabe a mim julgar as autoridades do passado […] Posteriormente, haverá uma separação de trigo trigo. Não é hora de fazer isso.”
  • motivação do crime: “É crime e é algo que eu quero destacar é: É um crime que tem uma dimensão individual e uma dimensão transindividual ou objetivo individual porque as pessoas recebem críticas: ‘Ah, por que esse caso é tão enfático?’ Porque estamos falando da Marielle, de uma veredora, estamos falando de causas, e estamos falando de mulheres negras, estamos falando de mulheres na política, que são intimidadas, emparedadas, às vezes humilhadas, ameaçadas todos os dias. Então, revelar que matou e que mandou matar – e foi isso que ele disse no dia 2 de janeiro – é uma causa fundamental para a família, claro, ele acreditava mais do que para a sociedade.”



[ad_2]

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *