Caciques do ex-partidão racham e trocam xingamentos; assista


Discussão foi em reunião do comando do Cidadania (ex-PPS e ex-PCB) a respeito da liderança do ex-deputado Roberto Freire

Conhecido por sua pregação histórica pela unidade das esquerdas, o Cidadania protagonizou um racha interno que se tornou público no último sábado (19.ago.2023). Numa reunião da Comissão Executiva Nacional da legenda, foi questionado o comando do ex-deputado federal Roberto Freire, de 81 anos. O líder da sigla é visto por parte dos caciques como uma pessoa “explosiva” e com dificuldade para lidar com opiniões diferentes das suas.

Em videoconferência realizada no sábado, Roberto Freire gritou com integrantes do Diretório Nacional e regional do Cidadania, como Regis Cavalcanti (secretário-geral) e Nonato Bandeira (dirigente da sigla na Paraíba). A reunião virtual foi gravada pelo Zoom e acabou vazando na internet.

Assista (3min46s):

O Cidadania é um braço do antigo Partido Comunista Brasileiro (PCB), fundado em 1922, sob influência da Revolução Russa e da Internacional Comunista. Conhecido como “partidão” na esquerda, abrigou várias correntes de comunistas ao longo de sua história. Em 1989, na primeira eleição direta para presidente pós-ditadura militar, teve Roberto Freire como candidato e 1,14% dos votos nas urnas.

Em 1992, uma ala do partidão criou o PPS (Partido Popular Socialista). Em 2019, o PPS virou o atual Cidadania. O antigo PCB segue existindo com apoio de antigos militantes e tem site na internet, mas menos destaque do que o grupo hoje no Cidadania e que protagonizou o racha no último fim de semana.

A desavença no sábado se deu porque a maioria do comando do Cidadania decidiu que o partido deveria integrar a base de apoio ao governo de Luiz Inácio Lula da Silva (PT) no Congresso. A deliberação irritou Roberto Freire, que é contra a adesão. O presidente do partido queria que a sigla ampliasse a federação PSDB-Cidadania, com uma aliança com os partidos ao Podemos e ao MDB. A opção foi rejeitada.

Na eleição de 2022, o Cidadania elegeu na Federação com o PSDB apenas 18 deputados –só 5 são, de fato, filiados à legenda que hoje se considera herdeira do partidão.

No início da reunião do sábado, Roberto Freire chegou a mandar o secretário-geral do partido, Regis Cavalcanti, calar a boca. “Você não está dirigindo a reunião. Eu estou abrindo essa discussão. […] Portanto, cale-se. Espere os outros falarem”, gritou.

Cavalcanti também foi ofendido pelo vice-presidente do partido, Daniel Coelho, que lhe chamou de “picareta e cínico”. O secretário devolveu a ofensa, chamando-o de “cachorro”.

Em outro momento da reunião, o presidente do Cidadania discute com Nonato Bandeira. O dirigente do partido na Paraíba chegou a dizer que Roberto Freire havia conseguido “destruir um dos maiores partidos do Brasil”.

“Não transfira as suas responsabilidades. E não tente bater boca com todo mundo. Ninguém aguenta você provocar, um por um, todo mundo que tem o mínimo de discordância com você. Tenha postura de presidente. Você perdeu a compostura e não tem condições de liderar”, afirmou Bandeira.

Depois das brigas que marcaram a reunião de sábado (19.ago), o Diretório do partido decidiu realizar um congresso para eleger novos líderes do Cidadania. Por mudança no estatuto do partido, Roberto Freire não poderia se reeleger.

Procurado pelo Poder360, o presidente da sigla declarou que a atual direção do Cidadania “não tem condições de continuar” e que isso seria de “algum tempo”. Roberto Freire defendeu que haja um congresso para novas eleições, ou então, haverá “uma rachadura” no partido: “Já temos perdas, pois tem gente que não entra [na sigla]pelas divergências”. 

“Defendo minha saída, não posso ser mais presidente. Eu apoio novas eleições. O congresso muda o que quiser ou mantém o que desejar. É mais democrático. […] Não é disputa de cargo, mas que encontremos uma saída para superar a crise e não fazer o apoio incondicional ao governo”, disse Freire.

“Defendo que o partido apoie o governo no que atender ao programa do partido e do país. No que não é, que seja oposição”, declarou o presidente do Cidadania.

Para Cristovam Buarque, a saída para o partido é uma nova eleição para o Diretório Nacional. O ex-senador e ministro da Educação afirmou que o partido se encontra em um “racha” por causa da atual gestão.

“Se durar muitos meses mais, não vai haver nem racha. O partido se acaba. Acabar não de declarar falência, mas de se tornar inexpressível, inoperante e irrelevante. Estamos muito perto de sermos irrelevantes. Nós cairemos em uma irrelevância definitiva”, declarou Cristovam.

O ex-congressista e ex-governador de Brasília disse que além de novas eleições, o partido precisa “definir quem ele é” e que defende uma postura do Cidadania como esquerda, mas que não há condições de “ficar como está”.

Quanto ao posicionamento da sigla no governo Lula, o ex-ministro defendeu que o Cidadania decida ser da base de apoio ao Planalto: “Não precisa de cargo. Hoje, o país está dividido entre duas bandeiras e não somos bolsonaristas”.



Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *