Bolsonaro diz que prisão de 300 “irmãos” em Brasília é ato covarde


Ex-presidente falou em referência aos presos por atos extremistas no 8 de Janeiro; ele participou neste sábado de evento do PL Mulheres

O ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) disse, neste sábado (29.jul.2023), que as prisões de 300 “irmãos”, em Brasília, foram feitas de foram “covarde”. A fala foi feita durante seu discurso no evento do PL Mulher, em Florianópolis (SC).

“Hoje, temos aproximadamente 300 irmãos presos em Brasília, presos de forma covarde, de forma arbitrária. Que esse seu sofrimento, se Deus quiser, chegará ao fim”, afirmou.

O ex-presidente, apesar de não dizer explicitamente, se refere às pessoas presas no 8 de Janeiro, acusadas de participar dos atos extremistas que vandalizaram as sedes dos Três Poderes na capital federal no início deste ano.

Ao lado de Michelle Bolsonaro, presidente do PL Mulher, e de Jorginho Mello (PL), governador de Santa Catarina, Bolsonaro afirmou ainda que “eles não querem, realmente, que nós venhamos a saber a verdade sobre o que acontece em nosso país. Eles querem esconder a verdade”.

Em maio, o Congresso instalou a CPMI (Comissão Parlamentar Mista de Inquérito) do 8 de Janeiro para investigar os atos. No dia 11 de julho, o ex-ajudante de ordens de Bolsonaro, o tenente-coronel Mauro Cid, foi convocado pela Comissão, mas permaneceu em silêncio.

Bolsonaro subiu ao palco depois do discurso de Michelle às apoiadoras presentes. Antes do início de sua fala, a presidente do PL Mulher ironizou a presença do marido e disse que não era para ele estar presente, mas ter aparecido somente no telão do evento.

“Dá pelo menos um ‘bom dia’, aqui, já que invadiu o evento das mulheres. Era para ele aparecer no telão, não era para ele estar presente”. Bolsonaro, no entanto, foi recebido por gritos de “mito” da plateia.

Durante os 8 minutos de fala, o ex-presidente disse às mulheres presentes no evento que não apoia a política “por cotas, mas pelo Brasil” e afirmou que a participação das mulheres na política “vai fazer a diferença”.

Segundo o jornal Metrópoles, desde o início da movimentação política de Michelle Bolsonaro, depois de ter assumido a presidência do PL Mulher, em fevereiro deste ano, e começar a fazer eventos da legenda, as filiações de mulheres na sigla aumentaram 33%.

Assista (41s):



Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *