Bloco na Margem Equatorial tem 5,6 bi de barris de óleo, diz estudo

[ad_1]

Alexandre Silveira afirma que esse é o potencial preliminar da área que a Petrobras tenta licenciamento com o Ibama

O ministro de Minas e Energia, Alexandre Silveira, afirmou nesta 6ª feira (29.set.2023) que um estudo interno da Petrobras indica que o bloco que a estatal tenta licenciamento ambiental para exploração na Margem Equatorial tem potencial de ter 5,6 bilhões de barris de óleo. Trata-se de um possível incremento de 37% nas reservas de petróleo brasileiras, atualmente em 14,8 bilhões de barris.

Silveira se referiu ao bloco FZA-M-59, que embora esteja localizado na Bacia da Foz do Amazonas, não fica próximo da foz do rio Amazonas. A área onde seria perfurado o poço de petróleo se encontra a 500 km de distância da foz. Segundo o ministro, apesar de a Margem Equatorial ser formada por 5 bacias sedimentares e 42 blocos, este é o mais promissor.

Ele citou que países vizinhos, como a Guiana e o Suriname, já têm encontrado petróleo naquela região. Como mostrou o Poder360, desde 2015 a Guiana já descobriu em sua pequena porção na Margem Equatorial o equivalente a 75% de toda a reserva de petróleo brasileira, incluindo todo o pré-sal.

“Esse bloco do Amapá é o mais próximo da Guiana e do Suriname –que estão encontrando petróleo na região –, e é o que tem o maior potencial. Tem estudos internos da Petrobras que apontam que aquele bloco especificamente tem possibilidade de ter mais de 5,6 bilhões de barris de óleo. São estudos geológicos e geofísicos que nos levam a acreditar que esse petróleo pode gerar emprego de renda no Brasil”, disse.

A Petrobras tem tentado aval ambiental para perfurar poços na região e seguir as pesquisas para comprovar as reservas e verificar se há viabilidade comercial de produzir na área. A licença foi negada em maio pelo Ibama (Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis).

A permissão se refere a um teste pré-operacional para analisar a capacidade de resposta da Petrobras a um eventual vazamento. A petroleira enviou mais documentos e pediu uma nova avaliação pelo instituto. No entanto, ainda não há um prazo para que essa análise seja feita.

Alexandre Silveira disse nesta 6ª ter convicção de que o governo vai chegar a um bom termo sobre o licenciamento, a partir do diálogo, e reforçou que todas as condicionantes ambientais para a exploração que forem impostas serão rigorosamente cumpridas.

A porção brasileira da Margem Equatorial é formada por 5 bacias sedimentares –um tipo de formação rochosa que permitiu o acúmulo de sedimentos ao longo do tempo. As bacias são:

  • Foz do Amazonas, localizada nos Estados do Amapá e do Pará;
  • Pará-Maranhão, localizada no Pará e no Maranhão;
  • Barreirinhas, localizada no Maranhão;
  • Ceará, localizada no Piauí e Ceará;
  • Potiguar, localizada no Rio Grande do Norte.

Há 42 blocos na Margem Equatorial concedidos pela ANP (Agência Nacional de Petróleo e Gás Natural). Atualmente, a região concentra o maior volume de blocos exploratórios do país.

A fase de exploração consiste em estudos e perfuração de poços para comprovar potenciais reservas de óleo e gás. Depois dessa fase, é analisada a viabilidade comercial de produzir, de acordo com o tamanho da reserva. Só depois é iniciada a produção nos campos.



[ad_2]

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *